Riqueza dos Nomes

Participantes: Indefinido.
Tempo Estimado: 30 minutos.
Material: Tiras de papel ou cartolina, pincel atômico ou caneta hidrográfica, cartaz para escrever as palavras montadas ou quadro-negro.
Descrição: Os participantes de um grupo novo são convidados pelo coordenador a andar pela sala se olhando, enquanto uma música toca.
Quando o som para, escolher um par e ficar ao lado dele (a). Cumprimentar-se de alguma forma, com algum gesto (aperto de mão, abraço, beijo no rosto e etc).
Colocar novamente os pares a andar pela sala (desta vez são os dois andando juntos). Assim que pára a música, devem se associar a outro par (fica o grupo com quatro pessoas).
Cada participante do grupo composto de quatro pessoas recebe uma cartolina e coloca nela seu nome (tira de papel também serve).
Após mostrar o nome para os outros três companheiros, os participantes deste pequeno grupo juntarão uma palavra com estas sílabas (servem apenas as letras).Exemplo: Anderson + JÚlio + DAiane = Ajuda
Airton + RoMIlton + ZAira + SanDEr = Amizade
Colocar a palavra formada num quadro-negro ou cartolina e o grupo falará sobre ela e sua importância na vida.

Salmo da Vida

Participantes: 10 a 20 pessoasTempo Estimado: 45 minutos
Material: Lápis e papel para os integrantes.
Descrição: Cada integrante deve escrever a história de sua vida, destacando os acontecimentos marcantes. O coordenador deve alertar o grupo de que experiências de dor e sofrimento podem ser vistas como formas de crescimento e não simples acontecimentos negativos. Em seguida, os integrantes devem se perguntar qual foi à experiência de Deus que fizeram a partir dos acontecimentos descritos ou no decorrer de suas vidas. Depois devem escrever o salmo da vida, da sua vida, uma oração de louvor, agradecimento, pedido de perdão e/ou clamor. O desenvolvimento dos salmos deve-se realizar em um ambiente de paz e reflexão. Então, os integrantes devem ser divididos em subgrupos de três ou quatro pessoas onde cada integrante deve partilhar sua oração. Depois o grupo é reunido e quem quiser pode apresentar sua oração ao grupo. Por último é realizado um debate sobre os objetivos da dinâmica e a experiência que a mesma trouxe para os integrantes. Algumas questões que podem ser abordadas: Como se sentiu recordando o passado? O que mais chamou a atenção? Qual foi a reação para com acontecimentos tristes? Como tem sido a experiência com Deus? Qual a importância Dele em nossas vidas? Pode-se ainda comparar os salmos redigidos com os salmos bíblicos.

Máquinas De Pessoas

Objetivo
exploração da criatividade e trabalho em equipe do grupo.cenário:

Desenvolvimento:
uma pessoa é retirara da sala, enquanto o grupo escolhe uma máquina para representar.
A pessoa que saiu retorna e tem três chances para descobrir qual máquina o grupo está representando.

Processamento:
Conversar com o grupo sobre a experiência e seus desafios. Correlacionar com as concepções de possível e impossível, o habitual e o novo no trabalho.

 

Vermelho E Verde

Categoria: confiança, cooperação, liderança, negociação e gestão de conflitos, poder, persuasão e influência, união

Objetivo: Estimular a competição entre equipes, focando a importante. Da sintonia entre as partes para o bom desenv. Do todo e discutir processos de confiança entre grupos. Enfocar a relação “ganha x ganha” como processo de desenvolvimento.

Mat: Cartões coloridos (4 verdes e 4 verm), flip-chart e caneta hidrocôr para anotar resultados.

Desenrolar:

O facilitador divide o grupo em 04 equipes e informa que trata-se de um jogo do grupo com o facilitador ( passar esta informação suscintamente).

Distribui 2 cartões para cada equipe, sendo um vermelho e um verde.

Informa-se que o  jogo consiste na escolha de uma cor por cada uma das equipes (representada pelo cartão que será exibido) e ao final da escolha das equipes será  avaliada a pontuação (conforme quadro de pontuação em anexo, que deve estar exposto na sala). No total o jogo conta com 10 rodadas de escolha de cores. Explicar a pontuação.

As equipes devem definir um nome para sí.

As equipes são proibidas de comunicar-se uma com as outras.

A escolha da cor por cada equipe deve ser em consenso  e sigilosa para as demais equipes.

Após a escolha das equipes o facilitador pede que um de cada equipe exiba o cartão selecionado. Todas as equipe irão exibir seu cartão ao mesmo tempo (como “dois ou um”). O facilitador anota a cor que cada equipe escolheu na rodada, assinalando-as no flip-chart e pontuando-as conforme a tabela abaixo.  É importante tratar esta parte da dinâmica com suspense, pois assim estimulamos a competição. Estimular o grupo com maior ponto. Proceder desta forma da 1ª a 4ª rodada.

O que ocorre é que as pessoas vão tender a jogar vermelho porque a equipe ganha mais pontos, porém em detrimento de outra equipe. Se as equipes jogarem vermelho e verde , sempre alguém ganhará e outro perderá; se as equipes jogarem todas verde, todos ganham; se no afã de ganhar todos jogam vermelho, todos perdem. Portanto o melhor é jogar verde. Esta informação não pode ser passada as equipes, elas devem descobrir isto.

Na 5ª rodada, como provavelmente haverá equipes perdendo e outras ganhando, propor que as equipes elejam um líder que irá , fora de sala, em conjunto com o líder das outras equipes discutir qual será a escolha de cores.

O líder deverá trazer para sua equipe a decisão consensada com os outros líderes e definir a escolha da 5ª rodada com sua equipe. O facilitador deverá fazer a apuração como nas rodadas anteriores.

Geralmente ao retornar aos grupos,  mesmo que o líder tenha consensado com os demais líderes a jogar verde, o grupo força-o a jogar vermelho para ganhar mais. Isto gera conflitos entre os grupos, causa desconfiança e por vezes até esquenta os ânimos, principalmente das equipes que já entenderam o jogo e não conseguem convencer as demais. Por vezes a equipe que entendeu o jogo, passa a manipular o grupo ganhando sempre mais, porém desonestamente.

Continuam-se as escolhas com os líderes em negociação fora da sala e se o clima estiver tenso, indaga-se ao grupo se é melhor negociar fora ou voltar ao esquema inicial de cada equipe por sí. Administra-se o jogo conforme as escolhas do grupo até a 10ª jogada.

Geralmente na 8ª ou 9ª jogada as equipes já entenderam e jogam todas verde.

Fechamento: levantam-se os sentimentos dos líderes, dos membros das equipes e abordar com profundidade cada um dos aspectos surgidos no jogo, tendo como foco seu objetivo.Quadro de

 

pontuação:

0 0 0 0 (verdes) + 1

0 0 0 0 (vermelhas) – 4

0 0 0  (vermelhas) + 1

0  (verdes) – 3

0 0   (vermelhas) + 2

0 0  (verdes) – 2

0    (vermelhas) + 3

0 0 0  (verdes) – 1

 

Quatro escolhas verdes: cada equipe ganha 01 ponto;

Quatro escolhas vermelhas: cada equipe perde 04 pontos;

03 escolhas vermelhas e 01 verde: quem jogou vermelho ganha 01 ponto, quem jogou verde perde 03 pontos;

02 escolhas vermelhas e duas verdes: quem jogou vermelho ganha 02 pontos, quem jogou verde perde 02 pontos;

01 escolha vermelha e três verdes: quem jogou vermelho ganha 03 pontos, quem jogou verde perde 01 ponto.

Cadeia De Afinidades

Objetivo: Proporcionar a integração entre os treinandos.

Duração: 30 minutos.

Desenvolvimento:
1.        Fazer um círculo.
2.        Cada um dos participantes vai se apresentar procurando acrescentar dados de sua vida pessoal, qualidades, características, gostos…
3.        À medida em que a pessoa estiver se apresentando, os colegas cujas características forem semelhantes se aproximam e a tocam até que termine a apresentação.
4.        Depois retornam ao seu lugar.

Sugestões para reflexão:
0 Quais as afinidades identificadas?
Quais as diferenças?
Como as afinidades e diferenças interferem nos relacionamentos entre pessoas da mesma fase de vida e em fases diferentes?

Quem É Você?

Objetivo: Ajudar os participantes do grupo a se conhecerem.

Duração: 1 hora.

Desenvolvimento:
1.        Colocar música e solicitar que andem na sala.
2.        Toda vez que a música parar, os treinandos devem formar grupos de 4 e conversar sobre o tema dado pelo facilitador.
3.        Deixar o grupo conversar por alguns minutos, colocar música e pedir que formem sempre novos grupos.

Questões sugeridas:
O que você mais gosta em você?
O que você acha que os outros mais gostam em você?
O que mais gosta em uma amizade?
O que você mais gosta num grupo?

Sugestões para o debate:
Como foram as discussões do grupo?
Quais os pontos mais importantes levantados?
Quais os pontos semelhantes e divergentes?

Chegada: As Boas Vindas

Objetivo: Auxiliar na apresentação e memorização dos nomes e características d@s adolescentes que participam do grupo.

Duração: 20 minutos.

Material: Sala ampla e pares de balas doces.

Desenvolvimento:
Trabalho individual:
1.        O facilitador passa um saco contendo os pares de balas doces e pede que cada participante retire uma para si.
2.        Após a distribuição aos participantes, pede que cada um procure seu par (de bala igual) e sente-se ao seu lado.
Trabalho em duplas:
1.        A bala é liberada para ser chupada.
2.        O facilitador orienta para que cada um fale ao seu par sobre o que quiser, por 5 minutos.
Trabalho em grupo:
1.        O facilitador pede que os participantes formem um círculo e que cada um apresente o seu par: nome, idade, trabalho, signo, desejos, enfim, tudo o que descobriu sobre a outra pessoa.
2.        É ressaltada a importância de todos estarem atentos às apresentações, pois todos merecem e precisam ser bem recebidos.

Sugestões para reflexão:
Qual o seu sentimento frente ao desconhecido?
Quais as características comuns ao grupo?

Resultados esperados:
Integração do grupo pela apresentação.
Descontração do grupo para iniciar os trabalhos.
Aprofundamento recíproco das características do grupo.

Conversando A Gente Se Entende

Categ: Comunicação gestiaç e Verbal

Objs: Promover o exame de vários tópicos referentes ao processo de comunicação bem como propiciar o desenvolvimento de habilidades de observação e diálogo.

Divide-se o grupo em trios instruindo-os sobre os 3 papéis que cada um exercerá sucessivamente: informante, ouvinte, observador. A atividade consiste em abordar um assunto polêmico, de preferência do momento, em três rodadas de aproximadamente 10 minutos (conforme demonstra o quadro). Após cada rodada os participantes devem fazer, no trio, uma avaliação do processo posicionando-se sobre:

como se sentiu;

como sentiu a participação do outro e como decorreu a comunicação.; ao final o grupo deve fazer um relato de sua experiência para os demais.

Papéis:

Informante: seu objetivo é expor as idéias de maneira clara e convincente. O ouvinte deverá ser capaz de saber exatamente qual opinião que você tem acerca do assunto.

Ouvinte: seu objetivo é captar exatamente o que o informante pensa sobre o assunto. Procurar não interrompê-lo. Ajude-o com perguntas esclarecedoras e verificações de entendimento. Você não pode discutir o que é dito. Muito menos contra-argumentar ou criticar.

Observador: seu objetivo é observar o que se passa entre informante e ouvinte. Não participe, em hipótese alguma, da conversa. Anote o que considerar importante para futuro feedback.

Questões para discussão em plenário:

O que aprendemos com a atividade?

Que papel foi mais difícil desempenhar? Quais os motivos?

Modelo do cartaz:

RODADA

PAPEL: INFORMANTE

1ª  A

2ª. C

3ª. B

PAPEL: OUVINTE

1ª  B

2ª. A

3ª. C

PAPEL: OBSERVADOR

1ª  C

2ª. B

3ª. A

Medos De Desafios

Categorias: confiança, Resolução de problemas e tomada de decisão

Objetivo: Demonstrar como as pessoas sentem-se inseguras diante de situações desconhecidas formando uma impressão negativa antes mesmo de procurar entendê-la.

Material: “Caixa de papelão pequena, 1 chocolate (ou outro doce), aparelho de som com uma música agitada para o fundo.

Desenrolar: O facilitador pede ao grupo, em pé, forme um circulo. Segura a caixa de papelão explicando ao grupo: “Estão vendo esta caixa? Dentro dela existe uma tarefa a ser cumprida. Vou colocar uma música e vocês irão passar a caixa de mão em mão como no jogo Batata Quente. Quando a música parar, aquele que ficar com a caixa terá que cumprir a tarefa sem reclamar, independente do que esteja escrito. Ninguém vai poder ajudar a pessoa na tarefa pois ela é individual”.

O facilitador coloca a música e inicia-se o giro da caixa. O facilitador deve estar de costas quando for parar a música para não ver com quem está a caixa. Quando a musica for interrompida aquele que ficou com a caixa terá que cumprir a tarefa. É interessante que o coordenador faça comentários do tipo: Você está preparado? Se não tiver coragem podemos fazer mais uma vez o giro da caixa.Depois de muito suspense quando finalmente a pessoa abrir a caixa encontrará a gostosa surpresa: o chocolate. O objetivo desta dinâmica é mostrar como somos inseguros diante de situações que possam representar perigo ou vergonha e que devemos aprender que podemos superar todos os desafios que são colocados à nossa frente. Por mais que tudo pareça desesperador, o novo desafio pode, ao final, se tornar uma feliz notícia. Também pode-se salientar como transformamos os desafios em problemas, quando na verdade eles devem ser encarados de frente para aprendamos com ele. Desafio é sinônimo de crescimento e oportunidade e não de problema.

Fábrica De Barquinhos

Categorias: Com. Verbal, criatividade, gestão de tempo, Liderança, Negociação e gestão de conflitos.

Objs: Refletir sobre a com. E o trabalho., em equipe e reforçar e que quando a comunicação. E o relacionamento interpessoal falha a equipe não funciona.

Mat: Revistas Usadas

Desenrolar: O facilitador divide a turma em grupos de aproximadamente cinco participantes. Em cada grupo, um participante exercerá o papel de líder.O facilitador conduz os líderes para fora da sala, orientando-os que o papel deles será o de motivar a equipe para produzir em larga escala, observando a qualidade, quantidade e criatividade.Informa-se aos líderes que uma empresa que trabalha com produtos náuticos, realizará um grande evento para o qual todos os clientes serão convidados. Esta empresa deseja comprar barquinhos para presentear os filhos desses clientes e fez uma encomenda de barquinhos que deverão ser entregues no prazo de 10 dias (equivalentes a 10 minutos durante a dinâmica).Cada grupo representará uma empresa. Enquanto os líderes estão fora da sala os participantes deverão ser informados sobre os seus papéis, recebendo a mesma orientação sobre o pedido feito pela empresa e sobre os critérios exigidos que serão:Quantidade, qualidade e acabamento dos produtos, cumprimento do prazo e criatividade. Os líderes não saberão que existem papéis divergentes em seus grupos.

Os papéis assumidos serão:

Responsável, faz muitos barcos.

Preguiçoso, não faz nada.

Critico, faz poucos barcos, critica os outros barcos e tenta desmanchá-los. Gozador, conta piadas e produz pouquíssimo.  Os papéis acima deverão existir em cada um dos grupos. Assim se houverem cinco grupos existirão, por exemplo, cinco preguiçosos. Inicialmente distribui-se uma folha de revista para cada participante e fabrica-se um barquinho de papel juntamente com eles.Em seguida formam-se os grupos e distribuem-se duas revistas para cada um. Marcam-se 10 minutos e inicia-se a atividade.Concluídos os 10 minutos, o facilitador orienta-os para montar sua vitrine para receber o cliente. O cliente chega para visitar as empresas e dialogará com o gerente e equipe sobre a linha de produção (quantidade), qualidade e acabamento dos produtos, preço, cumprimento do prazo e criatividade.Após isso ele revelará as notas que obtiveram em cada item e definirá de quem comprará a produção.Critérios para avaliação

Qualidade e acabamento do produto: 30 pontos

Criatividade:  20 pontos

Prazo:  30 pontos

Processamento

Explorar os sentimentos vivenciados;

Refletir sobre os papéis assumidos e fazer uma analogia com o trabalho em equipe;

Discutir sobre o papel da liderança, habilidade na negociação, preços, etc;

Explorar a importância da comunicação, cooperação, planejamento, motivação, etc;

Conduzir o grupo a uma discussão do porque a as fictícias empresas não obtiveram o resultado desejado.